Transferência da Semana: Van De Beek é a peça certa para o Manchester United de Paul Pogba e Bruno Fernandes?

O meia marcou 40 gols e deu 43 assistências em 159 partidas pelo Ajax

(Arte: André Martins)

O Manchester United fez uma ótima leitura do atual mercado de transferências e usufruiu da oportunidade ao contratar o meio-campista Van de Beek por 39 milhões de euros (cerca de R$ 248 milhões) – que também pode envolver o pagamento de 5 milhões de euros (R$ 32 milhões) de acordo com cumprimento de metas. O holandês foi um dos destaques da ótima geração do Ajax que chegou na semifinal da UEFA Champions League de 2018/19. O atleta era o único remanescente dos jovens formados no clube, já que Frenkie de Jong e Matthijs de Ligt deixaram a Holanda em 2019 e se mudaram para o Barcelona e a Juventus, respectivamente. 

Em termos econômicos, o negócio é extremamente positivo para o United. E, para chegar a esta conclusão, basta analisar a transferência das outras promessas holandesas: Frenkie de Jong custou 75 milhões de euros ao Barça, enquanto a Juventus pagou 85 milhões de euros por De Ligt. Apesar de mais jovens e um pouco mais promissores que Van De Beek, a diferença de custo nas transferências não se justifica e nos provoca a concluir que o clube de Manchester conseguiu um ótimo negócio. 

Dito isso, é necessário avaliar o acordo de forma mais crítica e se perguntar qual o encaixe de Van de Beek no atual elenco do Manchester United: É possível que ele jogue de volante? Ele é o jogador certo para jogar no 4-3-3 de Ole Gunnar Solskjaer ao lado de Pogba e Bruno Fernandes? Valeria a pena tirar um atacante para contar com Van de Beek no meio-campo?

O primeiro ponto que é necessário ter em mente: Van de Beek não deve jogar na posição de Matic. Não é justo prender o holandês à rigidez defensiva necessária para a função que o sérvio executa no sistema de Solskjaer. Van de Beek precisa de liberdade para atuar e ser criativo. Foi jogando desta maneira que ele teve sucesso no Ajax, marcando 40 gols e dando 43 assistências em 159 partidas pelo clube. Ainda vale lembrar que, durante o sucesso na Champions League em 2018/19, o meia tinha total liberdade para flutuar e se movimentar no meio-campo, já que Frenkie de Jong e Schöne se encarregavam da marcação. 

A chegada de Van de Beek representa um quebra-cabeça para Solskjaer. Paul Pogba poderia recuar, mas isso também seria tirá-lo de sua melhor posição em campo. O número na camisa do francês não é mera coincidência, ele é um verdadeiro “6 do futebol”. Pogba é capaz de articular totalmente o segundo setor do campo, permitindo, como vimos no final da temporada, que Bruno Fernandes ocupasse o último terço junto do trio de ataque. Dar as funções defensivas de “volantão” para Pogba poderia provocar uma queda tremenda no rendimento da equipe. 

Tirar Bruno Fernandes de sua posição também está fora de cogitação. O português foi o melhor jogador do Manchester United e da Premier League no final de 2019/2020 e se tornou intocável dentro do clube. Desta forma, o meia é a última peça do tabuleiro que deve ser mexida. 

A outra opção seria mudar a configuração tática do time, colocando Van de Beek no lugar de um dos atacantes. Greenwood, Rashford e Martial formaram um dos ataques mais envolventes da Premier League, mas são jogadores mais adaptáveis, já que possuem qualidades para jogar como pontas ou atacantes centrais. Foi exatamente essa fluidez nas movimentações que fez do ataque do United tão perigoso. Tirar um atacante para colocar Van de Beek pode garantir uma melhora no passe, mas uma perda na finalização e velocidade do conjunto. 

Van de Beek em si é um excelente jogador. O valor torna a contratação incrível, pois o Manchester United conseguiu trazer um jovem de 23 anos pagando menos do que o seu valor no mercado. Algumas pessoas vão dizer que Solskjaer terá uma “boa dor de cabeça” para definir o seu time titular. De certa forma, terão razão, porque ter um jogador como Van de Beek no banco é um luxo reservado para poucas equipes. 

Mas o holandês pode não ser a peça necessária no tabuleiro de Manchester. O medo é que o jovem volte a sofrer com os problemas recorrentes em contratações do United: ser o cara certo na posição errada.

Everton melhora as opções de Carlo Ancelotti

(Arte: André Martins)

O Everton sofreu com mais uma temporada decepcionante em 2019/20, terminando na 12ª colocação da Premier League. A equipe de Liverpool foi vítima de um meio campo fragilizado, que não conseguia articular jogadas e deixava a zaga rendida com marcações patéticas. A saída de Gueye para o Paris Saint-Germain em 2019 pesou, já que os contratados Fabian Delph e Jean-Philippe Gbamin não supriram as expectativas. Enquanto isso, André Gomes e Gylfi Sigurdsson não tinham criatividade o suficiente para articular as jogadas no ataque. 

O clube não economizou dinheiro e trouxe dois reforços de peso para resolver os problemas do atual elenco de Carlo Ancelotti. Primeiro, o Everton pagou 25 milhões de euros (R$ 163 milhões) ao Napoli pelo volante Allan – que vinha sendo convocado pelo técnico Tite para a Seleção Brasileira. O atleta terá a função de articular o meio-campo, fornecendo uma marcação mais sólida, além de ser capaz de infiltrar como elemento surpresa no ataque. 

A principal chegada porém é a do meia James Rodriguez. O colombiano ocupará o último setor no campo, com a função de criar jogadas para Richarlison e Calvert-Lewin. James voltará a encontrar Carlo Ancelotti, na expectativa de que o italiano consiga reviver os bons momentos que tiveram juntos no Real Madrid. 

Sevilla aproveita o desmonte do Barcelona

(Arte: André Martins)

Após o 8 a 2 sofrido para o Bayern de Munique na semifinal da Champions League, o Barcelona planeja uma completa reconfiguração de seu elenco. Quem fez bom uso disso foi o Sevilla, que conseguiu contratar Ivan Rakitic por um preço muito abaixo do mercado: 1,5 milhões de euros, o equivalente a R$ 9,7 milhões. O contrato terá duração até 2024 e a expectativa é que ele volte a repetir o mesmo sucesso de sua primeira passagem no Sevilla, quando fez 32 gols e deu 41 assistências em 149 jogos, ajudando o clube na conquista da Liga Europa de 2013/14.

Além disso, o treinador Julen Lopetegui contará com uma opção versátil no meio campo, já que Ivan Rakitic tem a capacidade de jogar mais próximo da área – função que exercia no começo de sua carreira no próprio Sevilla – ou um pouco mais recuado, lembrando suas atuações na seleção croata e no próprio Barcelona. 

Uma possível salvação para a defesa do Arsenal

(Arte: André Martins)

O Arsenal gastou 30 milhões de euros (R$ 187,6 milhões) para tirar o brasileiro Gabriel Magalhães do Lille, em uma das grandes novelas desta janela de transferência. O zagueiro de 22 anos chega como uma possível “salvação” para um clube que sofre há muito tempo com uma defesa fragilizada. Na última temporada, o torcedor dos Gunners foi obrigado a ver as falhas defensivas de Mustafi, Sokratis e Holding.

Por um lado, a “Era Arteta” começou bem. O treinador foi capaz de reviver a boa fase do zagueiro David Luiz e conquistou os títulos da FA Cup e da Supercopa da Inglaterra. Agora, o espanhol espera que Gabriel Magalhães seja o reforço necessário para garantir um equilíbrio melhor para zaga. É injusto cobrar que o brasileiro seja a “salvação” para a defesa da equipe londrina, mas o custo da transferência faz dele o jogador mais caro do Arsenal na atual janela. Desta forma, é impossível que os torcedores dos Gunners não fiquem esperançosos com a chegada do jogador. 

A longa novela acabou: Havertz é do Chelsea

Finalmente o torcedor do Chelsea pode comemorar a chegada de Kai Havertz. A novela dos Blues com o jovem alemão começou no final de julho, ocupando todo o mês de agosto para finalmente ser anunciado nesta sexta-feira, 4 de setembro, se tornando a transferência mais cara da atual janela: 72 milhões de libras, o equivalente a R$ 523 milhões. 

A expectativa é que Havertz possa ser o líder de um meio-campo promissor, atuando ao lado do recém chegado Hakim Ziyech e da revelação Mason Mount. A promessa de 21 anos teve uma ótima temporada de 2019/20, sendo responsável por 18 gols e nove assistências em 45 jogos pelo Bayer Leverkusen. 

O Chelsea segue como o principal destaque da atual janela de transferência, já que também anunciou o atacante Timo Werner, o meia Hakim Ziyech, o lateral-esquerdo Ben Chilwell (que comentamos na última transferência da semana) e os zagueiros Thiago Silva e Malang Saar.  

Autor: Bruno Nossig

Sou aluno da ECA-USP, graduando em jornalismo. Joguei basquete quando menino e agora escrevo neste site. Meu twitter é @brunonossig.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s