Grandes talentos disponíveis no segundo dia do Draft da NFL

Franquias fizeram as primeiras escolhas, mas no segundo dia é que precisam encontrar os talentos escondidos do Draft

(Arte: André Martins/ Photo: Getty Images

A primeira rodada do Draft acabou. Agora, os times começam a dar os últimos passos antes do início do segundo dia, que acontecerá às 20h da noite, horário de Brasília, com transmissão da ESPN e cobertura ao vivo do Intervalo em 5. 

Sobrou muito talento para o segundo dia do Draft – que terá escolhas da segunda e terceira rodada. Em meio a isso, o Intervalo em 5 listou os principais atletas que estão disponíveis na board.

Xavier Mckinney, Safety, Alabama

Mckinney foi a queda mais inesperada do Draft da NFL. Cotado pela ESPN como o 15º melhor prospecto, o jogador não saiu na primeira rodada e pode ser o trunfo do segundo dia. 

Mckinney possui um “fogo” de Tyrann Mathieu, ao mesmo tempo que possui similaridades com Minkah Fitzpatrick. O atleta pode ser utilizado no fundo do campo, em coberturas com um safety ou dois. Além disso, foi muito bem marcando como slot corner e se alinhando mais próximo ao front seven – sendo eficiente contra o jogo corrido e também pressionando o QB. 
O safety teve uma temporada absurda em 2019. Foram 3 interceptações, 4 fumbles forçados e 95 tackles por Alabama. 

A.J Epenesa, EDGE, Iowa

A.J Epenesa era cotado como o segundo melhor EDGE até o Combine, onde registrou mais de 5 segundos no 40 yard dash e ficou com o pior tempo da posição. O motivo pelo qual  caiu no Draft está evidente. 

Ainda assim, o talento do atleta é inegável. Ele facilmente desmonta a linha ofensiva, usando diversos movimentos para chegar ao QB adversário. Os 127 quilos o tornam uma máquina de sacks e de fumbles, sendo que registrou 10,5 sacks em 2018 e 11,5 em 2019. Nesses dois anos ele também forçou 4 fumbles. 

Com tempo na NFL e maior agilidade, Epenesa pode se tornar um pesadelo para os QBs da liga.

Jaylon Johnson, CB, Utah 

Apesar de ter modestos 1,83 metros (motivo que deve ter feito Johnson cair para a segunda rodada), Johnson foi um dos grandes corners do College em 2019. Por Utah, o atleta permitiu apenas 23 passes em 52 lançamentos na sua direção. 

O jogador é um talento absurdo que possui um instinto natural para a posição. Ainda assim, o atleta costuma a fazer “apostas” dentro de campo, ao invés de ler completamente as jogadas e os movimentos do recebedor. 

Quem escolher Johnson está pegando um atleta com alto potencial e com capacidade de ter impacto imediato em uma secundária debilitada. 

Josh Jones, OT, Houston

Cotado como o quinto melhor tackle da classe, Jones viu Austin Jackson e Isaiah Wilson tomarem sua frente e serem escolhidos na primeira rodada. Principal jogador da linha ofensiva ainda disponível, Josh Jones possui um grande potencial, usando seus 2 metros e 140 quilos para proteger com excelência o QB.

Ainda assim, é um projeto a longo termo e não deve começar jogando logo de cara, já que em Houston mostrou algumas deficiências, que assim como todo seu potencial físico, continuarão presentes na NFL. 

Denzel Mims, WR, Baylor

Mims é um dos grandes wide receivers que sobraram na board, que ainda conta com Laviska Shenault e Tee Higgins. O produto de Oregon tem mãos precisas e produziu recepções extremamente impressionantes durante sua carreira no College. Em 2019, ele foi o principal recebedor do time, registrando 1,020 jardas em 66 recepções e pontuando 12 TDs.

O poderia atlético – com grande velocidade (4,38 segundos no tiro de 40 jardas) e salto vertical impressionante – torna Mims um jogador com grande potencial de sucesso na NFL. Ainda assim, ele precisa melhorar as suas rotas se quiser obter sucesso no nível profissional. 

Zack Baun, EDGE, Wisconsin

Baun é um dos grandes talentos que sobraram na posição de EDGE rusher, sendo que também mostrou versatilidade em Wisconsin sendo capaz de alinhar como linebacker

O ano de 2019 de Zack Baun foi perfeito. Foram 76 tackles, sendo 19,5 para perdas de jardas, e impressionantes 12,5 sacks. O EDGE impressionou com sua velocidade para atacar o QB adversário e um instinto para ocupar o miolo da defesa, lendo os olhos do quarterback e impedindo o RB de obter corridas gigantescas

Kristian Fulton, CB, LSU

Apesar de ser um dos grandes cornerbacks do College no ano passado, Fulton caiu para a segunda rodada, muito por conta de seus atributos físicos – apenas 1,83 metros e 90 quilos. Ainda assim, o produto de LSU é uma das grandes promessas disponíveis para a secundária. 

De acordo com o PFF, Kristian Fulton foi o cornerback melhor ranqueado da divisão mais difícil do College (SEC) por dois anos seguidos. Em 2019, foram 14 passes quebrados (8º maior marca do College), uma interceptação e 31 tackles.

Um mar de RBs – D’Andre Swift, Jonathan Taylor e J.K Dobbins

Apenas um RB foi escolhido na primeira rodada e podemos ver uma série de jogadores sendo escolhidos no segundo dia. Os principais são: D’Andre Swift, Jonathan Taylor e J.K Dobbins.

Swift é um jogador mais versátil, sendo extremamente agressivo no jogo terrestre e aéreo. Em 2019, foram 1,218 jardas corridas e 216 jardas recebidas, totalizando 8 TDs por Georgia.

Taylor é um RB mais tradicional. O jogador obteve mais de 2,000 jardas terrestres em duas temporadas seguidas por Wisconsin, somando 26 TDs na temporada passada. O atleta também é o jogador mais rápido da posição, registrando 4,39 segundos no tiro de 40 jardas. Apesar disso, fumble é um problema do atleta, e isso pode causar apreensões de alguns times da NFL. 

J.K Dobbins é um atleta muito parecido a Taylor. Só que, apesar de não sofrer com os fumbles, ele não teve a mesma produtividade que o produto de Wisconsin. Em 2018, foram 1,053 jardas corridas. Mas, em 2019, o jogador de Ohio State chegou a 2,003, adicionando mais 21 TDs corridos e dois recebidos. 

Lynn Bowden Jr., WR/RB/QB, Kentucky

Lynn Bowden Jr. é um Tayson Hill 2.0. O jogador é de longe o mais versátil do Draft e chegou a afirmar que jogaria até de cornerback na NFL. E, sinceramente, é difícil imaginar que ele não teria sucesso. 

Durante a temporada de 2018, ele registrou 745 jardas em 67 recepções. Números que o colocavam como um dos fortes WR para a temporada de 2019 e o faria se juntar à forte classe de 2020. Só que a sua temporada teve um giro estranho, os principais QBs do time se lesionaram e ele assumiu a posição no meio do ano, fazendo oito partidas e carregando o time a 6 vitórias. 

Nada mal, vamos combinar.

Em 2019, foram 30 recepções para 348 jardas. Como quarterback, ele passou para 403 jardas, com 3 TDs e 3 interceptações – acertando 47,3% dos passes (números nada chamativos). O interessante foram as 1,468 jardas corridas, 13 TDs e uma marca impressionante de 7,9 jardas por tentativa. 

Ele não é um dos melhores prospectos do Draft e pode ser que caia até para o terceiro dia. Mas quem escolher Lynn Bowden Jr. está escolhendo um jogador para lá de interessante.

Autor: Bruno Nossig

Sou aluno da ECA-USP, graduando em jornalismo. Joguei basquete quando menino e agora escrevo neste site. Meu twitter é @brunonossig.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s